segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Delivery?

- Evandro's. Boa noite
- Boa noite, eu quero pedir uma pizza...
- Qual o sabor?
- Quero uma gigante, metade calabresa, metade portuguesa. Mas antes eu queria saber se vocês aceitam Sodexo VR
- Olha rapaz, até mês passado eu aceitava, mas o Sodexo cobra uma taxa muito grande, entendeu? Aí agora a gente não tá aceitando mais não.
- Entendi...
- Pra falar a verdade, eu tô até estudando a hipótese de voltar a aceitar porque se por um lado a gente economiza na taxa, por outro, a gente perde clientela, né? Hoje mesmo, você já é a segunda pessoa que liga perguntando se nós aceitamos.
- ahan...
- Mas é difícil. Manter um estabelecimento comercial é difícil; restaurante então, é mais complicado ainda! Você não tem idéia! E não é só Sodexo não! Tem RedeShop, Visa, Master Card, Visa Eletron, VR, isso tudo é gasto, sabe?
- Sim, mas...
- A gente deve voltar a aceitar em breve, fique tranquilo. Da próxima vez que você ligar, a gente já deve estar aceitando de novo. No fundo, eu sei que não dá pra cortar esse serviço porque é muita gente que usa Sodexo.
- Então eu...
- Só dá raiva de ter que pagar uma taxa tão alta, sabe? Os caras aumentam e não te dão nem satisfação! Mas sabe o que é isso? Eles não tem nada a perder, quem perde é sempre o estabelecimento. Aí eu me revolto e decido não pagar, mas sempre acabo voltando atrás.
- ...
- Bom era o tempo em que não tinha essas coisas. As pessoas vinham e compravam com dinheiro e pronto. Bom era aquele tempo! Não tinha nada disso de cartão de conveniência, cartão de crédito, nada! Só tinha o dinheiro. O cliente pagava ali na hora!, ou comprava fiado né..? Eu era enrolado às vezes com isso, entendeu? Mas nem se compara à grana que eu perco hoje em dia com essas taxas absurdas!
- Tá bom, boa noi...
- É o que eu sempre falo pras minhas filhas "esse mundo de tecnologia, de convêniencia, de velocidade aí, parece ser muito bom, mas as coisas simples da vida estão cada vez mais raras"! Hoje em dia o cliente te trata como se você fosse um empregado! Antigamente não, antigamente meus clientes chegavam e me chamavam pelo nome, perguntavam como estava minha esposa (que Deus a tenha)! Hoje não... Eles nem sabem quem eu sou! Só querem ser servidos rápido e ir pra casa. Isso me deixa triste, sabia?
- Valeu amigo! Eu preciso...
- Às vezes eu tenho vontade de largar o restaurante e arrumar outra coisa pra fazer. Passar o ponto, sabe? É muita apurrinhação, amigo! Você acha que cachaça é água? Ram, não é fácil não! E ainda tem essas taxas...
- [tu-tu-tu-tu...]
- Alô? Alô...

Eu aumento, mas não invento. No final das contas, jantei miojo.
.

8 comentários:

Anônimo disse...

HAHAHA. BÔUA!

Priscilla Acioly disse...

Jônatas, responde esse comentário: isso foi verdade?!!
hahahaha

Green disse...

visto que aumentaste um bocadinho, devo dizer que tens uma imaginação muito fértil.

Miuka disse...

Ah ah ah... Boa boa!
Já me aconteceu quando estava a trabalhar numa loja e alguns clientes tinham esse tipo de conversa comigo, claro que tinha de parecer interessada, mas depois tinha outros clientes para atender e não queria ser indelicada...
Bem, há gente muito solitária e estas conversas com estranhos são os unicos desabafos que terão o dia inteiro...

Quanto ao teu comentário lá no meu refúgio, admito que um dia passado no Rio seria a LOUCURA! Mas seria pouquinho tempo, precisaria de muito mais para apreciar a beleza da vossa cidade... Tenho umas amigas que foram estudar para aí no ano passado, fazer erasmus. Sortudas! :)

Anônimo disse...

Incrível!!! Adorei.

José disse...

Jônatas!
Obrigado pela visita, volte sempre, é só empurrar a porta, pois ela está sempre aberta.
Também gostei daqui irei voltar mais vezes.

Abraço.

maria inês disse...

obrigada :)

Anônimo disse...

"Eu aumento, mas não invento" ou seja: a primeira linha pode ser verdade rsrs

Postar um comentário

 
◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates. Blog Templates created by Web Hosting